sexta-feira, agosto 10, 2012

De que me adianta esses ares novos
Se o cheiro de sua brisa me espanta
E pra que servem as novidades?
Sinto lhe dizer que o meu antigo me encanta
Por que precisarei mudar
Sendo que o que sou não é mais o que fui
E ainda insisto em tentar
Que a partir de hoje, não mais vou ser.

A aurora penetra ao levantar
Como seus olhos jamais me penetraram
E encantadoramente ela insiste em deitar
Bem ao meu lado, onde você jamais deitara
E quando ela se for, você também irá.

Óh lua dos amantes
Por que fizeste de mim o mais infeliz deles?
Nasci para lembrar que o amor existe
Porém em mim não coube este dom

Óh noite escura que embala o meu sono
Por que não tivesses um pouco de piedade
De tirar de mim tal vaidade
Que possivelmente jamais encontrarei

A mesma brisa que me trouxe o seu cheiro
Levaste de mim o que sobrara de você
Não sei mais se posso me considerar inteiro
Sendo que perdi meia parte ao te ter.

Nenhum comentário: